Logo Parimpar
Instagram Parimpar
youtube-Parimpar
Linkedin-Parimpar
Facebook-Parimpar
Editor HTML Online
   

Os astros no comando da educação. Suplemento da revista eletrônica O giz da educação, vol.4 nº. 1 (2022) ISSN 2764-0477– DOI 10.6084/m9.figshare.19536031

 

ABRIL – Refutar, ou melhor, questionar não significa estar em desacordo.

 

O que diz a Base Nacional Comum Curricular

‘Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao diálogo, à resolução de conflitos e à cooperação.’

Na prática

Ana Beatriz, professora de Literatura, pediu aos seus alunos que fizessem a leitura do livro Senhora, de José de Alencar. Como a linguagem de Alencar poderia causar algum ruído na comunicação e, uma certa repulsa quanto à leitura por jovens acostumados à linguagem das redes sociais, ela programou uma roda de conversa, depois da leitura do livro. Uma aula dedicada ao tira-dúvidas. Naquele momento ela poderia explicar exatamente o que seus alunos gostariam de ouvir.

Solução científica

O fato de que alguma teoria seja utilizada repetidamente, não significa que ela não possa ser questionada. Aliás, Popper, um dos grandes filósofos do século XX, já dizia que ‘a ciência produz teorias falseáveis, que serão válidas enquanto não refutadas.’

Exemplo disso foi a revolução na mecânica newtoniana com o experimento de Einstein. Mão na massa prá pesquisar!!!

Para mim, MADAME ZAPIM, os astros não mentem jamais!
Educação se faz contando boas histórias!!!