Logo Parimpar
Instagram Parimpar
youtube-Parimpar
Linkedin-Parimpar
Facebook-Parimpar
Editor HTML Online
   

O giz da educação vol.9 nº. 4 (2022)
ISSN 2764-0477

 

O tempo vale ouro, não pode ser desperdiçado...

 

Bom dia, mas bom dia mesmo! Eu sou Madame Zapim e começa agora o seu, o meu, o nosso programa diário “Os astros no comando da educação”!

Queridos ouvintes eu sei que vocês estão curiosos para que eu explique um pouco sobre o comportamento das pessoas práticas. A aluna Jácia, também sempre de ouvido aqui nas minhas recomendações, mandou um manualzinho que ela segue, para lá de prático. Então, em homenagem a essa adolescente de 15 anos, que carinhosamente nos enviou essa mensagem, vou partilhar com vocês o manual de cabeceira dela:

 

PRATICOvol.9 nº4 Fonte: PARIMPAR. És o seu perfil: Mapas, 2022

 

Eu conversei com a Jácia ao telefone. Ela me confidenciou que se uniu a outras colegas e, entre elas, só se comunicam em inglês, certo ou errado. A professora delas aderiu à brincadeira e para conseguir a participação dos outros colegas da turma, criou o que ela chamou de Take it easy, no qual todos trocam quinzenalmente textos, crosswords, e dão aulinhas dos conteúdos que a teacher orienta. Assim todo mundo memoriza um pouco da matéria e dá pistas, para a própria teacher, de como o inglês é metabolizado em cada um dos alunos, e aí, ela vai se mirando nas dificuldades da turma.

Eu achei muito legal a Jácia usar o verbo metabolizar, porque é mais ou menos isso que fazemos quando aprendemos algo novo: metabolizamos!

Não dá para disfarçar a minha satisfação, não é mesmo?

Um grande abraço a todos os meus queridos ouvintes e até o próximo programa, quando falaremos sobre a turma que gosta de praticidade.

Espera aí!!! O mês de maio já está quase se despedindo e você ainda não teve curiosidade em ouvir os meus pitácos astrológicos? Pára tudo e escuta daí, que eu conto neste clique aqui.

(“Roda a vinheta!”).
“Madame Zapim está com você!!! Manda um Zapim que ela rápido respondim”!!!

 

Patiluc

“Esta é uma obra de ficção. O uso de metáforas foi a maneira encontrada para contar as vivências da autora, ao longo dos seus mais de 25 anos na área da educação. Atualmente, ela atua como Empreendedora Cultural e mantém a crença de que educação também é sinônimo de cultura.”