Image
youtube-Parimpar
Linkedin-Parimpar
Facebook-Parimpar

O giz da educação v.1 n.1 (2021)

 ISSN 2764-0477

O professor ontem e hoje

A mudança é próprio da natureza e da vida. O ser humano como parte integrante dessa natureza vive e promove constantes mudanças.

Quem não se lembra da figura do professor dos tempos de outrora, aquele ser que era respeitado, detentor do conhecimento, mestre de todos nós na infância e juventude. Inspirava a muitos, povoava os sonhos da maioria da molecada da época.

Os sonhos são como as flores que ressaltam suas cores em muitos tons. Sonhar ingressar em uma faculdade, em serviços públicos ou multinacionais, ou ainda poder ser um professor, seguindo os passos do mestre eram muitas das nuances dessas cores.

Em meio a passagem do tempo, as cores que ressaltavam esses sonhos, desbotaram e perderam seu valor.

Hoje são poucos os jovens que almejam conquistar a quase extinta profissão do educar.

Também tanta coisa mudou! Hoje tem a televisão, as redes sociais, o telefone, a mídia digital. Pesquisar sobre qualquer assunto nos leva ao Google. Saber o que ocorre no mundo, em tempo real, é tão rápido e fácil.

O professor foi desbancado do seu lugar na sala de aula e na sociedade.

Os horizontes, sem as fronteiras anteriores, se encontram abertos a perder de vista, e em meio a uma cadeia complexa de recursos disponíveis, pode-se aprender muito, com ou sem uma figura especifica tradicionalmente chamada professor.

Os tempos mudaram, como tudo! Outros sonhos foram surgindo, virando fatos e mostrando que a vida pode ser como a metamorfose das borboletas.

Pode até não ser visível e que não percebam que o professor é hoje até mais importante do que foi ontem. Porém não o encontraremos encarnado em uma pessoa. Esse papel diluiu-se nos instrumentos disponíveis conquistados pelo homem.  

“Sou a Silvana Diniz Chaves, graduada em Psicologia pela Universidade Newton Paiva e em História, pela Faculdade Universo, com especialização em temas filosóficos pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do ensino fundamental e médio por 24 anos, na rede pública de Belo Horizonte, Minas Gerais”.